RUGENDAS. (Johann Moritz) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

     
English   
 
   

Clique nas imagens para aumentar.



MONTEIRO. (Inácio) ARS CRITICA RATIONIS DIRIGENDAE,

SEU PHILOSOPHICA HUMANAE INSTITUTIO LOGICA COMMUNI USU NUNCUPATA Secundum Eccleticae Philosophiae Leges adornata AUCTORE IGNATIO MONTEIRO. Tomus I. Pars I. [Tomus II. Pars II.] Editio Secunda ab Auctore Correcta, Aucta, et Illustrata. VENETIIS MDCCLXXVII. [1777]. Typis Antonii Zatta Superiorum Permissu, Ac Privilegiis.

2 volumes encadernados juntos. In 8º de 19,1x12,2 cm. Com 364, [ii]; 118, [ii] págs. Encadernação da época inteira de pele com nervos, ferros a ouro e rótulo verde, na lombada. Cortes das folhas levemente carminados. 

Edição ilustrada com um florão decorativo ao centro das folhas de rosto de cada um dos volumes e com florões de remate ao longo do texto. Impressão muito nítida com caracteres itálicos, no prefácio e nas citações e com caracteres redondos no texto.   

As duas páginas finais de cada volume contêm no primeiro as erratas, com florão de remate e no segundo as erratas e uma página em branco.  

2ª Edição corrigida, aumentada e com novas explicações pelo autor. Muito rara. Inocêncio refere a 1ª edição, mas não regista esta 2ª edição. A 1ª edição tinha sido publicada, em 1768, pelo mesmo impressor e na mesma cidade. 

Obra muito importante para o estudo do início da modernidade em Portugal, da influência da Companhia de Jesus na recepção das ideias dos filósofos e cientistas europeus do século XVII e XVIII, da perseguição do Marquês de Pombal à Companhia e das respectivas consequências.  

Compêndio sobre a Lógica, que, segundo o autor, é uma parte da filosofia destinada a ajudar a inteligência na procura da verdade, intervindo em todos os processos racionais para ajudar a mente humana a distinguir o verdadeiro do falso. Nela o autor adopta um posição eclética, considerando que todos os sistemas têm alguma parte da verdade juntamente com muitos erros, e revela conhecimento profundo dos principais autores clássicos, como Aristóteles e dos autores da sua época, como Descartes, Newton, Gassendi, Wolff e Leibnitz.      

Inácio Monteiro (Lamas, Viseu 1724 - Ferrara 1812) Padre da Companhia de Jesus foi um dos mais ilustres filósofos e matemáticos portugueses do século XVIII e notabilizou-se especialmente como professor e pedagogo em Portugal e Itália.

Entrou para a Companhia de Jesus, com 15 anos, a 8 de Fevereiro de 1739, em Évora, estudou filosofia de 1741 a 1746 e teologia de 1746 a 1750. Depois de completar os estudos em Coimbra, ensinou matemática de 1753 a 1755, no Colégio de Jesus, da mesma cidade, e de 1756 a 1759, filosofia e teologia moral em Santarém. Em 1759 foi preso e expulso de Portugal, pelo Marquês de Portugal, juntamente com os outros jesuítas e passou a viver desde 1761, no colégio jesuíta de Ferrara, onde exerceu a função de abade e mais tarde foi prefeito da Universidade em Ferrara, onde ficou célebre pelo seu magistério.     

CORRÊA MONTEIRO. (Miguel Maria Santos) INÁCIO MONTEIRO (1724-1812) Um jesuíta português na dispersão. Centro de História da Universidade. Lisboa. 2004. p. 17, 391. 

Inocêncio III, 212-213. 

Referência: 1912PG016
Local: M-5-B-46


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
Multibanco PayPal MasterCard Visa American Express

Serviços

AVALIAÇÕES E COMPRA

ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVOS

PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

free counters